Por que temos aftas?

Utilizamos o nome aftas, para descrever pequenas úlceras na membrana mucosa da boca.

As aftas não são causadas por uma infeção e por isso, não são transmissíveis de pessoa para pessoa, através do beijo, da partilha do mesmo copo ou até mesmo através do contacto entre pessoas.

Então, o que causa o aparecimento das aftas?

As aftas podem ser a consequência de morder ocasionalmente o interior da bochecha, podem ser o reflexo do uso incorreto da escova de dentes ou um dente mais afiado/dentes restaurados.

Em situações em que as aftas são recorrentes, as causas são pouco conhecidas, no entanto, podem existir vários fatores que aumentam esse aparecimento, tais como:

  • Stress e ansiedade.
  • Lesão oral.
  • Alterações hormonais (algumas mulheres desenvolvem aftas no período menstrual).
  • Consumo de alimentos como o chocolate, café, amendoins e morangos, podem potenciar este aparecimento.
  • Tabaco. Quando as pessoas estão em processo de tentativa de deixar de fumar, o aparecimento de aftas pode ser uma consequência da alteração de substâncias na boca, o que é uma situação normal. No entanto, não deixe que este facto seja limitativo da decisão de deixar de fumar. Lembre-se sempre, que as vantagens para a saúde oral são muito maiores e o aparecimento das aftas é uma situação de curta duração.

Por que aparecem recorrentemente aftas?

O aparecimento recorrente de aftas pode ter origem em deficiências nutricionais ou noutras doenças, como:

  • Deficiência de Vitamina B12.
  • Deficiência de Ferro.
  • Doença Celíaca.
  • Doença de Crohn.
  • Síndrome de Reiter (artrite reactiva).
  • Imunodeficiência.

Ou por razões relacionadas à toma de medicação como anti-inflamatórios não-esteroides (AINEs) ou ácidos acetilsalicílico e beta-bloqueadores. Estes são medicamentos que tratam algumas patologias cardíacas e podem ser exemplo do aparecimento de aftas recorrentes.

No entanto, este efeito será sempre temporário, notando-se apenas numa fase inicial da medicação ou quando há aumento da dosagem, porém nunca deve parar a medicação por causa de um problema de aftas, sem consultar o seu médico.

Quais os sintomas que estão associados a este problema?

Pode estar com uma afta, caso:

  • Sinta um ou mais focos de dor no interior da boca, na língua, no palato mole (parte de trás do céu da boca) ou no inteiro das bochechas.
  • Tenha lesões na boca que sejam redondas, brancas ou cinzentas, com uma elevação avermelhada à volta.

Como é possível tratar este problema?

A dor provocada por uma afta geralmente diminui em alguns dias e as lesões geralmente saram, sem tratamento, no espaço de uma ou duas semanas.

Se as lesões forem grandes, muito dolorosas ou mais persistentes, o seu dentista pode prescrever-lhe um líquido de lavagem antimicrobiano ou outra solução para diminuir a dor e a irritação.

Outros artigos que pode considerar interessantes:

Alimentação e saúde oral.

Como usar o fio dentário e a escova de dentes.

Boca Seca.

Fonte: Plataforma saúde oral (online).

O que é o Abcesso Dentário?

O abcesso dentário é o resultado da resposta do corpo a um agente estranho, como por exemplo, bactéria, vírus, parasita ou fungo.

É o local de acumulação do fluido que pode ser branco, amarelo ou esverdeado, ao qual normalmente designamos como pus, rodeado exteriormente por um tecido avermelhado.

O abcesso dentário é a consequência dessa acumulação no meio do dente (polpa).

Quais as suas causas?

O abcesso dentário é uma complicação que surge quando o dente se encontra em desgaste, partido ou lascado, isto acontece porque as aberturas no esmalte permitem às bactérias infetar a polpa do dente, podendo passar para a raiz do mesmo e para os ossos que o suportam.

O que sentimos quando temos um abcesso dentário?

O principal sintoma é a dor de dentes. No entanto, é possível a existência de outros sintomas como: sabor amargo na boca, mau hálito, sensibilidade ao frio e ao quente, ou febre.

Que sinais podemos testar para verificar se estamos com abcesso dentário?

  • Quando morder ou fechar a boca com força, a dor aumenta.
  • As gengivas poderão ficar inchadas e mais avermelhadas e podem ter acumulado líquido da inflamação.
  • Se o Médico Dentista tocar no dente, o paciente sente dor.

Quais os tratamentos para esta situação?

Deve sempre consultar o seu Médico Dentista, pois o objetivo do tratamento será sempre curar a infeção, salvar o dente e prevenir outras complicações.

Outros artigos que pode considerar interessantes:

Tártaro.

Placa Bacteriana.

4 Dicas fundamentais para melhorar a saúde oral.

Fonte: Plataforma saúde oral (online).

O que é a Destartarização e Polimento Dentário?

É muito comum visitar o dentista para fazer uma destartarização. Mas afinal o que é uma destartarização e para que serve o polimento dentário?

Ao longo do tempo acumula-se, nos dentes, Placa Bacteriana e a melhor forma de removê-la é escovar os dentes pelo menos duas vezes por dia. No entanto, existem sempre zonas de difícil acesso onde a escova não chega e por isso não ficam devidamente higienizadas.

É precisamente nestas áreas que a placa bacteriana pode acumular-se. Ela mineraliza e forma um depósito encrustado e duro que se chama Tártaro, este é impossível de ser removido apenas com a escovagem diária.

Se o tártaro não for removido, vai acumular-se mais placa bacteriana à volta dos dentes e abaixo da linha da gengiva, o que resulta no avanço da doença gengival.

Como reduzir os riscos da doença gengival?

A melhor forma de o fazer é realizando uma limpeza profissional, conhecida como destartarização e polimento dentário.

Como?

A destartarização e polimento dentário é um tratamento realizado pelo seu médico dentista ou higienista.

Este tratamento consiste na remoção de placa bacteriana e tártaro existente à volta dos dentes e gengivas e o polimento suaviza a superfície dos dentes e as pequenas imperfeições em zonas mais rugosas, elimina manchas e deixa os dentes brilhantes, protegendo contra a nova acumulação de placa bacteriana.

Normalmente, o seu médico dentista aconselha-o sobre a frequência com que deve fazer uma destartarização e polimento dentário.

É fundamental fazer regularmente esta limpeza profissional, uma vez que, é um bom complemento a uma boa rotina de higiene oral. Porém deve lembrar-se que este tratamento não substitui a escovagem diária, é apenas um complemento.

Outros artigos relacionados:

Tártaro

Placa Bacteriana.

Dentistas têm um Papel Crucial na Deteção de Doenças.

Fonte:Saúde oral (online).

Extração de Dente: O que Fazer para Diminuir o Desconforto

Quem nunca fez a extração de um dente e sentiu um enorme desconforto.

Depois da extração do dente, as primeiras 24 horas são muito importantes porque é nesse período que se desenvolve um coágulo no local do dente removido. Embora, este coágulo ajude na cicatrização é necessário manter os cuidados por dois ou três dias, consoante as indicações do seu médico dentista.

Quando se extraí um dente é comum que surjam situações de sangramento, inchaço e dor, o que provoca desconforto.

Assim, existem alguns cuidados específicos que devemos ter em consideração, logo após a cirurgia:

  • Não fazer exercício nas primeiras 24 horas, para evitar o aumento do sangramento.
  • Começar a comer só depois do efeito da anestesia, para não correr o risco de morder a bochecha ou o lábio.

Após a cirurgia, como parar de sangrar?

Este é um sintoma que surge após a extração do dente e demora algumas horas para passar. Por isso a sugestão que deixamos é colocar um pedaço de gaze sobre o vazio deixado pelo dente e trincar durante 45 minutos a 1 hora, uma vez que, a pressão exercida ajuda a estancar o sangramento.

Por norma, esta indicação é dada pelo seu médico dentista logo após a extração e por isso o paciente já sai do consultório com a gaze colocada. Neste caso, não é aconselhável trocar a gaze em casa.

Como garantir a cicatrização?

É importante para garantir uma cicatrização correta da gengiva, que se forme o coágulo de sangue no local onde estava o dente. Assim, quando o sangramento parar, são aconselhados alguns cuidados que ajudam a ter o coágulo no local correto, como:

  • Evitar enxaguar a boca com força, escovar o local ou cuspir.
  • Não mexer no local onde estava o dente.
  • Mastigar com o outro lado da boca.
  • Evitar comer alimentos muito duros ou quentes.
  • Não fumar, beber por um canudo ou assoar o nariz.

Estes são alguns cuidados fundamentais que deve fazer durante as primeiras 24 horas após a extração do dente, mas podem e devem ser mantidos durante os primeiros 3 dias para garantir uma melhor cicatrização.

Como reduzir o inchaço?

Para além do sangramento, é comum sentir um ligeiro inchaço da gengiva e do rosto na região em volta do dente que foi removido.

Para aliviar este desconforto deve aplicar compressas com gelo sobre o rosto, no local onde estava o dente. Deve repetir este procedimento a cada 30 minutos, durante 5 a 10 minutos.

Outra sugestão para aliviar o inchaço e que normalmente o paciente gosta é comer gelados. É apenas necessário que tenha em atenção o consumo com moderação e depois de comer o gelado, escovar os dentes sem passar no local do dente extraído.

Como aliviar a dor?

Nas primeiras 24 horas, a dor é muito frequente, no entanto, pode variar de pessoa para pessoa. Por norma, o médico dentista receita anti inflamatórios que aliviam as dores, mas deve sempre fazer a sua toma de acordo com as indicações do médico.

No entanto, se tiver os cuidados necessários que ajudam a parar o sangramento e a reduzir o inchaço, pode não ser necessário o uso de medicação.

Como evitar uma infeção?

Após a cirurgia de extração do dente, deve ter os seguintes cuidados para evitar uma infeção:

  • Escovar os dentes sempre depois de comer – evitando passar a escova no local onde estava o dente.
  • Evitar fumar – os químicos do cigarro aumentam o risco de infeções.

Em alguns casos, quando o médico dentista receita antibiótico, deve fazer a sua toma de acordo com as indicações dele.

Outros artigos que pode considerar interessantes:

Dentistas têm um papel crucial na deteção de doenças.

Cirurgia Guiada de Implantes.

6 Dicas para eliminar o mau hálito.

Fonte: A tua saúde (Online).

Como Usar o Fio Dentário e a Escova de Dentes

Para melhor cuidar da sua saúde oral uma boa higiene é necessário fazer. Mostramos algumas dicas de como usar o fio dentário e a escova de dentes de forma correta.

Fio Dentário

1. Enrole cerca de 40 cm de fio nos dedos médios de cada mão. Segure o fio com os polegares e indicadores.

2. Coloque o fio dentário entre os dentes e deslize suavemente para cima e para baixo. Passe o fio junto à base de cada dente, perto da gengiva. Faça sempre 2 ou 3 passagens em cada dente, dos dois lados. Não se esqueça de usar novos pedaços de fio dentário para cada dente que está a limpar!

Escova de Dentes

Depois de limpar os dentes com o fio dentário é necessário lavá-los com a escova de dentes. Escovar os dentes ajuda a deter a aparecimento de bactérias, que começa após a ingestão de alimentos.

Estas duas ações são a melhor forma de prevenir cáries e problemas nas gengivas.

Aconselhamos a escovar sempre os dentes após as refeições. Se não for possível, deve fazê-lo 3 vezes ao dia:

  • Depois do pequeno almoço.
  • Depois do almoço.
  • E à noite, antes de dormir.

1. Deve colocar a escova num ângulo de 45º para escovar corretamente entre a linha da gengiva e os dentes.

2. Faça movimentos circulares, suaves, de forma a mover a escova para cima e para baixo, ao longo dos dentes.

3. É importante escovar também a parte de trás dos dentes.

4. Para escovar corretamente os dentes são necessários 2 ou 3 minutos e deve fazer várias passagens.

5. Evite escovar os dentes sempre da mesma maneira. Se alternar a forma como escova os dentes garante que nenhum local fica esquecido.

Outros artigos sobre este tema que pode considerar interessantes:

Escova Manual ou Elétrica.

4 Dicas fundamentais para melhorar a saúde oral.

4 Dicas para manter a saúde oral nas férias.

Fonte texto e imagem: Canadian Dental Association. Flossing and Brushing. (Online). Revista saúde oral (online).

Alimentação e Saúde Oral

Qual a relação da alimentação com a saúde oral?

Em Portugal existem cerca de 1 milhão de portugueses com obesidade e desses muitos sofrem de cárie dentária, doença oral mais prevalente nas crianças e jovens.

Isto acontece porque existe um consumo regular de alimentos e bebidas com açúcar e uma fraca higiene oral. Estas práticas diárias têm grande influência no aparecimento de obesidade e doença oral e consequentemente os problemas dentários poderão impedir o consumo de alguns alimentos protetores da doença, como as frutas, os hortícolas ou os cereais integrais.

É possível prevenir estas situações e por isso, de forma inédita em Portugal, a Direção-Geral da Saúde lança o livro “Saúde Oral e Alimentação”, com linguagem acessível e ilustrações de grande qualidade destinada a todos os públicos, incluindo os profissionais de saúde que trabalham na área.

Neste artigo pode ler o excerto do livro, com dicas que seguramente podem ajudar toda a família:

A alimentação é importante para os meus dentes e para a minha saúde?

Claro que sim! Se fizeres uma alimentação saudável estás a contribuir para a saúde dos teus dentes e gengivas.

Sabias que há alimentos que protegem os dentes?

Pois é! Os alimentos como o queijo, o leite, a fruta e os hortícolas fazem bem aos dentes.

Sabias que os vegetais também podem ser incluídos nos teus lanches?

Por exemplo, experimenta comer cenoura crua, cortada em palitos ou juntar uma folha de alface na tua sanduíche. Que outros alimentos saudáveis para os dentes podem fazer parte do teu lanche?

A cenoura faz bem aos dentes?

Sim! A cenoura e outros vegetais, como a alface, o tomate ou os brócolos, são muito importantes. Se os incluíres nas tuas refeições principais e nos lanches estás a tornar os dentes e as gengivas mais saudáveis. Estes alimentos são ricos em água, fibra, vitaminas e minerais. Como demoram mais tempo a mastigar, produzes mais saliva. A saliva é muito importante porque ajuda a limpar os dentes e a protegê-los das bactérias.

E a fruta, é importante para os dentes?

Sim! A fruta fresca é fundamental para os dentes e para as gengivas. Podes comer fruta com casca, como a pêra e a maçã! Têm mais vitaminas e fibras. Mas atenção, tem de ser bem lavada! Além de comeres fruta ao almoço e ao jantar, experimenta também durante a manhã ou ao lanche! Já reparaste que a fruta e os hortícolas não ficam agarrados aos dentes, depois de os comeres? Pensa noutros alimentos com que aconteça o mesmo.

E o queijo protege os dentes?

Sim! Os lacticínios, como o queijo, o leite simples e os iogurtes não açucarados, têm propriedades protetoras dos dentes. Estes alimentos são ricos em cálcio e fósforo e protegem da cárie dentária.

E os outros alimentos como a carne, o peixe, as leguminosas, o azeite? São bons para os dentes?

As gorduras, como o azeite e os alimentos ricos em proteína, como o peixe, a carne e as leguminosas (exemplo: grão, feijão, ervilhas), fazem parte de uma alimentação saudável e também ajudam a proteger os dentes e as gengivas de várias doenças!

Porque é que o açúcar não é bom para os dentes?

O açúcar serve de alimento para as bactérias que existem na boca. Elas transformam-no em ácido que destrói o esmalte dos dentes. Quanto mais vezes comeres alimentos com açúcar, mais vezes as bactérias produzem esses ácidos, mesmo que comas pequenas quantidades de cada vez! Os dentes precisam de tempo entre as refeições para recuperar os minerais perdidos, depois de cada ataque dos ácidos. Por isso, não deves passar o dia a petiscar!

Sabias que existe açúcar escondido nos alimentos?

É verdade! Alguns alimentos, mesmo sem sabor doce, podem ter açúcar! Por exemplo, o ketchup e o pão dos hamburgers e dos cachorros que, habitualmente, se encontram nos restaurantes de comida rápida. Existem várias formas e nomes para o açúcar. Verifica, nos rótulos das embalagens, na lista de ingredientes, se existe algum destes açúcares: Sacarose, Glicose, Glucose, Dextrose, Frutose, Maltose, Maltodextrinas, Mel, Xarope de glicose, Xarope de milho.

Além do açúcar, há outros alimentos desaconselhados?

Sim! Os alimentos com farinhas muito refinadas, como bolos, bolachas, folhados, batatas fritas, flocos de cereais açucarados, também contribuem para a cárie dentária. Porquê? Alguns destes alimentos têm açúcar mas, mesmo os que não têm, como as batatas fritas, são transformados em açúcar na boca. Além disso, como ficam agarrados aos dentes durante muito tempo, vão causar mais danos!

O que podes fazer?

Deixa estes alimentos para os dias de festa ou para uma vez por semana. Além disso, é importante comê-los apenas no final do almoço ou do jantar. A seguir, deves escovar os dentes! Comer alimentos com açúcar, entre as refeições, faz muito mal aos teus dentes!

Atenção aos sumos e refrigerantes!

Não bebas sumos e refrigerantes todos os dias – deixa-os para as refeições dos dias de festa! Estas bebidas, mesmo que não tenham açúcar, têm ácidos que destroem os dentes. Bebe água às refeições e ao longo do dia! Ajuda a manter os dentes mais limpos!

As pastilhas sem açúcar provocam cáries?

As pastilhas elásticas não são alimentos, por isso não são necessárias para o dia-a-dia. Se, de vez em quando, gostares de mastigar uma, escolhe as que não têm açúcar – têm adoçantes mas não provocam cáries!

Para além dos cuidados com a alimentação, escova bem os dentes, todos os dias!!!

Para manteres os dentes limpos e saudáveis é fundamental que os escoves duas vezes por dia, sendo uma delas à noite, antes de deitar.

A escovagem deve ser feita durante 2 a 3 minutos. Lavar os dentes ‘à pressa’ não dá bom resultado…

Muito importante, também, é usares uma pasta dentífrica com flúor.

Outros artigos:

7 Dicas para ajudar o se filho a escovar os dentes.

Como tratar os dentes das crianças.

12 Alimentos amigos de um sorriso mais saudável.

Fonte: Ordem dos nutricionistas. Site da Direção Geral de Saúde. (online).

Exercício de Alongamento Melhora a Função Oral

Um estudo afirma que os pacientes com idades mais avançadas podem melhorar a sua função oral através de um simples exercício com a duração de 2 minutos.

Este é um bom exercício para quem sofre de problemas associados à diminuição de saliva e boca seca (xerostomia).

Prevenção

Segundo os investigadores, este exercício de alongamento oral pode resolver problemas como:

  • Doenças nos tecidos moles.
  • Cáries.
  • Doença periodontal.
  • Candidíase oral.

Estes problemas afetam o estado de saúde e qualidade de vida dos pacientes.

Como fazer o exercício?

É um exercício simples e curto em que os pacientes alongam os lábios, língua e bochechas e exercitam os músculos mastigatórios e de deglutição.

Detalhes do estudo:

O estudo, publicado no dia 16 de maio, na Clinical Interventions in Aging, utilizou este exercício em 84 participantes de idade igual ou superior a 65 anos. Os participantes tinham que fazer o exercício duas vezes por dia durante uma semana, de acordo com as instruções de um higienista oral.

Os investigadores avaliaram o desempenho mastigatório dos pacientes através do mixing ability index. Além disso, analisaram os níveis de humidade na língua e mucosa bucal, e realizaram o teste repetitivo de deglutição de saliva.

Conclusão do estudo:

O estudo concluí os seguintes resultados:

  • A capacidade mastigatória aumentou 6% logo após o exercício nos pacientes com uma boa higiene oral e 16% nos pacientes com fraca saúde oral.
  • De acordo com os investigadores, o grau de humidade na língua aumentou 3% e manteve-se neste valor.
  • No grupo com fraca saúde oral, 25% dos participantes passaram para o grupo da boa saúde imediatamente após a intervenção, e 40% fizeram-no depois de uma semana de exercícios.
  • Os participantes mostraram ainda sentir menos desconforto na sua função oral.

Um bom exercício para uma melhor saúde oral.

Outros artigos que pode considerar interessantes:

Boca Seca.

Placa Bacteriana.

Tártaro.

Fonte: Revista Saúde Oral (online).

Escova de Dentes para Crianças com Malformações na Cavidade Oral

Existem muitas crianças com malformações na cavidade oral. Segundo os responsáveis pelo desenvolvimento desta escova dentária, nascem, anualmente, cerca de 180 crianças com esta malformação em Portugal.

Um grupo de investigadores Portugueses desenvolveram uma escova dentária para crianças com malformações na cavidade oral, em particular fenda lábio-palatina (FLP). A escova dentária foi testada em 60 crianças com FLP e os resultados foram muito positivos.

A ideia de desenvolver esta escova de dentes parte da investigadora Rita Rodrigues da UFP no decorrer do doutoramento em odontopediatria. Esta revela:

“Eu gostava que fosse algo útil, mas que tivesse valorização e impacto social” e quis “tentar fazer alguma coisa para aqueles pais que já pensam em tantas coisas, na fenda, na terapia da fala, na alimentação, na deglutição, na psicologia, na parte estética, onde a parte da medicina dentária fica um pouco descuidada”.

“Trata-se de uma peça ou adaptação que é acoplada na cabeça da escova de dentes convencional e permite uma higienização da área da fenda, uma zona de difícil acesso a indivíduos com FLP, e mantém a funcionalidade da escova noutras áreas. As escovas que existem no mercado causam incómodo na fenda por se tratar de uma zona muito sensível e não serem adaptadas às necessidades dos indivíduos, além de não alcançarem a zona mais profunda da fenda, não permitindo assim uma higienização correta do local da fenda”

Acrescenta a Universidade Fernando Pessoa, que diz ainda, terem sido desenvolvidos 60 protótipos por uma empresa suíça (Curaprox).

Como se pode verificar no vídeo abaixo, “a peça tem a forma de uma chama e cerdas de diferentes tamanhos em 360º e foi criada de forma a garantir “a desorganização da placa bacteriana sem causar lesão nos tecidos adjacentes, permitindo assim reduzir a inflamação dos tecidos.”

Vídeo Universidade de Porto (youtube).

A UFP (Universidade Fernando Pessoa) conclui que “O resultado foi muito positivo, pois para além de ter um impacto positivo na saúde, levou também a um aumento da confiança e da felicidade nas crianças e nas suas famílias, que tinham medo de higienizar a zona da fenda”.

Esta investigação foi desenvolvida pelos Portugueses: Rita Rodrigues, Conceição Manso (Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade Fernando Pessoa), Maria Helena Fernandes (Faculdade de Medicina Dentária da Universidade do Porto), António Bessa Monteiro (cirurgião pediátrico do Hospital dos Lusíadas) e Joaquim Gabriel Mendes (Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto), e Rowney Furfuro (da Clínica Compor).

Outros artigos que o podem interessar:

Escova manual ou elétrica.

Dentistas têm um papel crucial na deteção de doenças.

Root Cause a gerar indignação.

Fonte de texto e imagem: Revista saúde oral (online).

Suplemento de Vitamina D na Gravidez Melhora Saúde Oral Infantil

A suplementação de vitamina D durante o terceiro trimestre de gravidez tem um impacto na saúde oral das crianças durante a infância. Conclui um estudo publicado na revista científica JAMA Pediatrics.

Segundo o estudo, existe uma redução de “problemas de esmalte” em filhos de mulheres que tomaram suplementos de vitamina D.

Detalhes do Estudo

“Os problemas no esmalte dentário são um problema de saúde global que afetam cerca de um terço das crianças em idade escolar. A vitamina D é essencial para a mineralização do esmalte e do osso. Alguns estudos já tinham avaliado a associação entre a vitamina D e os problemas no esmalte dentário, mas nenhum estudo tinha analisado os efeitos de elevadas doses de suplementação de vitamina D na gravidez. Colocámos a hipótese de a programação no útero poder impulsionar o mecanismo de desenvolvimento na formação dos dentes. Isto nunca tinha sido estudado antes, e por isso estamos surpreendidos com a nossa hipótese se ter confirmado.”

Explica Pia Elisabeth Norrisgaard uma das autoras do estudo.

Conclusão do Estudo

O estudo conclui que uma dose elevada de vitamina D pode ajudar a reduzir os efeitos no esmalte dentário durante a infância em cerca de 50% tanto na dentição permanente como nos dentes decíduos.

Portanto, é aconselhável o uso de vitamina D durante o período gestacional para que as suas crianças possam ter uma melhor saúde oral.

Outros artigos que pode ter interesse:

Como a Dieta da Mãe Influencia a Saúde Oral do Filho.

7 Dicas para Ajudar o seu Filho a Escovar os Dentes.

Como Tratar os Dentes das Crianças.

Higiene Oral na Gravidez.

Fonte: Revista saúde oral (online).

Tártaro

O que é o Tártaro?

O Tártaro consiste na mineralização da placa bacteriana que se encontra na superfície dos dentes. Este forma-se devido à mistura dos minerais presentes na saliva com partículas de comida que ficam entre os dentes e bactérias.

Isto acontece quando a placa bacteriana não é removida, por consequência endurece e mineraliza nos dentes, originando o Tártaro. Este facto pode ocorrer em apenas 26 horas.

O Tártaro é diferente da placa bacteriana, pois este provoca a descoloração dos dentes tornando o processo de remoção mais complexo relativamente ao da placa bacteriana.

Assim, quando o Tártaro se forma nos dentes só poderá ser removido pelo seu médico ou higienista.

Por que razão temos Tártaro?

A ausência de uma correta higiene oral é o fator principal para a formação do tártaro. Ainda que escove os dentes diariamente e utilize fio dentário é fundamental visitar regularmente o seu dentista, uma vez que, o tártaro se forma em zonas difíceis para chegar com a escovagem normal.

No entanto, existem outros fatores de risco que também contribuem para o aparecimento de tártaro, como:

  • Consumo de açúcares ou hidratos de carbono – doces e alimentos ricos em hidratos de carbono são propícios à proliferação de bactérias na boca, que são consequência do aparecimento de placa bacteriana e tártaro.
  • Fumar – pessoas com hábitos tabágicos têm maior tendência para ter tártaro nos dentes e gengivas.

Como prevenir?

Como prevenir as consequências negativas do tártaro para a saúde oral:

  • Use pasta de dentes com flúor, que ajuda a reparar as lesões no esmalte dos dentes e a combater a ação bacteriana.
  • Evite comidas demasiado ácidas.
  • Não fume.
  • Beba água durante e após as refeições.
  • Visite o seu dentista de 6 em 6 meses.

Em conclusão, é aconselhável que faça a destartarização de 6 em 6 meses, uma vez que, esta ajuda a prevenir as gengivas e melhora a aparência dos dentes, deixando-os mais limpos, saudáveis e brilhantes.

Outros artigos que pode ter interesse em ler:

Placa Bacteriana.

Escova Elétrica ou Manual.

Quais os Sintomas da Gengivite.

Periodontite – Sintomas e Tratamentos.

Fonte: Plataforma de saúde oral (online). American Academy of Periodontologists (AAP) (online).