Facetas para uma Estética Perfeita

As facetas ou lentes de contacto dentárias são uma tendência na medicina dentária, sobretudo para os pacientes que querem ter um sorriso perfeito. Para além disso é um procedimento que resolve várias situações clínicas, como podemos verificar baixo.

Benefícios da colocação de Facetas de Cerâmica ou Lentes de Contacto Dentárias: 

  • Melhoria geral da sua estética dentária.
  • Correção de espaços entre os dentes.
  • Modificação da forma e tamanho dos dentes.
  • Correção da cor dos dentes (dentes manchados ou escurecidos).
  • Melhoria da estética dentária sem aparelho dentário.
  • Substituição da estrutura danificada  dos dentes devido a desgastes, fraturas ou restaurações excessivas. 

As facetas em cerâmicas são umas capas ultrafinas que lhe permitem corrigir imperfeições nos seus dentes naturais mantendo as características do seu sorriso natural.

O sorriso de cada paciente é planeado e desenhado através de um programa digital –  Digital Smile Design – e assim o paciente pode antever uma previsão do resultado final.  Cada faceta é feita individualmente através de um processo altamente rigoroso e de acordo com padrões de elevada qualidade. O nosso principal objetivo é ir de encontro às expectativas do nosso paciente e ajudá-lo a encontrar o seu sorriso perfeito. 

O processo de escolha de cor neste tipo de procedimento é criteriosa e exige um equilíbrio entre a expectativa do paciente e a cor base dos dentes naturais e as características individuais do rosto do paciente.

Ao aliarmos a tecnologia ao rigor nestes procedimentos dentários, permite nos alcançar resultados em harmonia e naturais de acordo com as particularidades de cada paciente. 

A nossa equipa pode ajudá-lo a alcançar o seu sorriso de sonho! Veja o caso da nossa paciente.

Antes
Depois
A nossa paciente com o sorriso que sonhou!

Cirurgia Guiada de Implantes

Com o avanço da tecnologia aliada à medicina dentária, surge o diagnóstico por imagem 3D ou CBCT (TAC digital). O CBCT veio permitir ao médico obter uma imagem real do tamanho do maxilar e da mandíbula, ao contrário das outras imagens obtidas em radiografias convencionais, como por exemplo, as panorâmicas. 

Até à data, a maioria dos casos de implantes eram realizados recorrendo à cirurgia guiada de implantes clássica, em que o médico tem de realizar um corte na gengiva e de seguida, seguindo a sua noção espacial, colocar então o implante. Na cirurgia clássica o médico tem ainda que encerrar a ferida que abriu com pontos, tornando esta técnica bastante invasiva.

Na cirurgia guiada de implantes o Médico, usa o exame digital 3D realizado (CBCT) e um software específico onde seleciona a localização espacial ideal para os seus implantes através de um modelo virtual. Assim estabelece o melhor posicionamento dos seus implantes em todos os seus aspetos. De seguida são produzidas guias através de impressão 3D que o médico irá usar durante a cirurgia transpondo para o ato cirúrgico todo o planeamento executado, evitando assim o erro humano e tornando a cirurgia fiel ao planeamento realizado.

Assim, por comparação temos o seguinte quadro:

Cirurgia Guiada Cirurgia Clássica
Menos sujeita a erros.Mais sujeita a erros.
Cirurgias mais rápidas.Cirurgias mais longas.
Minimamente invasiva.Muito invasiva.
Sem cortes (incisões).Necessário cortes (incisões).
Sem pontos (suturas).Necessário pontos (suturas).
Atraumático.Feridas cirúrgicas grandes.
Sem edemas.Pós operatório geralmente desconfortável.
Menos carga medicamentosa. Necessário maior carga medicamentosa.
Pós operatório indolor.Condiciona a atividade profissional nos dias seguintes à cirurgia.

Etapas da cirurgia guiada de implantes:

1. Aquisição de dados do paciente

Primeiro faz-se à aquisição de dados do paciente através do CBCT e do Scanner intraoral digital.  

2. Software específico

Através do software específico obtém-se um biomodelo virtual 3D exato do paciente

3. Estudo de colocação de implantes

O implantologista identifica estruturas anatómicas nobres e posiciona os implantes com base no biomodelo virtual 3D, sem a necessidade da presença do paciente.

4. Impressão 3D da guia cirúrgica

Através de uma impressora 3D é impressa uma guia cirúrgica.

5. Realização da cirurgia guiada no paciente

Nesta etapa é realizada a passagem da planificação virtual diretamente para o paciente. Neste procedimento, a guia impressa é colocada na boca do paciente e são efetuadas apenas pequenas janelas na gengiva no local onde serão colocados os implantes, sendo colocados com segurança e precisão de forma indolor, pois não há cortes, não há descolamentos da gengiva e não há pontos. Assim conseguimos uma cirurgia mais rápida e mais confortável.

6. Produção das guias cirúrgicas

Na clínica Cyrne as guias cirúrgicas são produzidas em laboratório digital próprio.

7. Fabricação das coroas

Depois de colocados os implantes na boca e após a sua osteo desintegração, são feitas e colocadas as coroas na posição exata em que foram colocadas sobre os implantes na boca.

Outros artigos que possam ser interessantes:

Artigo Publicado na Revista Saúde Oral – Carga Imediata em Cirurgia Guiada

Cirurgia Guiada de Implantes | Técnica

Mais Um Caso de Cirurgia Guiada por Computador

Dentistas Avisam Sobre o Consumo de Kombucha

A kombucha é um tipo de chá fermentada constituída por uma espécie de fungos e bactérias, por ser uma bebida probiótica alcançou uma reputação notável como alternativa aos refrigerantes e bebidas alcoólicas.

Segundo o jornal espanhol, “20minutos” a opinião de alguns dentistas é que o efeito desta bebida fermentada, nos dentes, é semelhante aos refrigerantes.

Embora algumas variedades de sabores estejam carregadas de açúcar, o problema maior consiste na acidez dessa bebida. Segundo os médicos dentistas, o PH ácido da qual é constituída, cria um terreno fértil para que as bactérias se reproduzam.

A Kombucha faz um efeito semelhante ao das bebidas energéticas e refrigerantes com os consequentes perigos de proliferação de cáries, gengivite ou manchas no esmalte do dente.

Como prevenir esta situação?

  • Beba em menos quantidade.
  • Beba de forma a que o líquido não entre em contacto com os dentes (pode até usar uma palhinha reutilizável).
  • Lave a boca depois de beber a kombucha.

Segundo o jornal referido, esta é apenas a opinião dos profissionais do setor, sem a existência de um estudo específico que comprove efetivamente os efeitos colaterais mencionados.

Fonte: pode verificar a notícia na íntegra em www.20minutos.es.

Como Tratar os Dentes das Crianças

Como tratar os dentes das crianças é uma questão que quase todos os pais têm dúvidas. Quando se deve começar a cuidar dos dentes e como fazê-lo?

O momento da erupção dentária (nascimento do primeiro dente) varia de criança para criança. Por exemplo, uma criança pode cortar o primeiro dente com apenas alguns meses, enquanto outra pode não iniciar a dentição até aos 12 meses de idade ou mais.

Embora o tempo possa variar, o nascimento dos dentes acontece por esta ordem:

  • Entre os 6 e os 10 meses entram em erupção os dois dentes da frente (incisivos centrais) que se encontram na mandíbula inferior.
  • Entre os 8 e os 13 meses, surgem os dois dentes da frente (incisivos centrais) no maxilar superior.
  • Dos 8 aos 16 meses nascem, nas mandíbulas superior e inferior, os incisivos laterais, que são os dentes que se encontram ao lado dos incisivos centrais. Os dentes da mandíbula inferior tendem a nascer primeiro.
  • Dos 13 aos 19 meses nasce o primeiro conjunto de molares superiores e inferiores.
  • Entre os 16 e os 23 meses os dentes caninos nascem ao lado dos incisivos laterais, nas mandíbulas superior e inferior.
  • Entre os 25 e os 33 meses nasce o segundo conjunto de molares superiores e inferiores.

Geralmente, a criança média tem seu conjunto completo de 20 dentes de leite com a idade de três anos.

Como cuidar dos dentes do seu filho?

A maior parte dos pais acha que cuidar dos dentes de leite do bebé não é tão importante quanto cuidar dos dentes adultos, simplesmente porque os dentes do bebé são projetados para cair de qualquer maneira.

No entanto, os dentes de leite são muito importantes, pois são eles que permitem que as crianças mastiguem alimentos e falem apropriadamente.

Para além disso reservam os espaços em tecido gengival para futuros dentes adultos.

Por este motivo, é fundamental estabelecer precocemente bons hábitos de higiene oral no seu filho, para evitar o risco de desenvolver cáries dentárias.  

Assim, deixamos-lhe algumas dicas para cuidar dos dentes de leite e desenvolver bons hábitos de higiene oral:

1. Desde o Nascimento

Limpe a boca e as gengivas do seu bebé, com um pano macio.

2. Primeiro Dente

Escove duas vezes por dia com uma escova macia e água.

3. Doze Meses

Leve o seu filho à primeira consulta odontológica.

4. Dezoito Meses

Adicione uma quantidade do tamanho de uma ervilha de pasta dentífrica infantil na escova e ensine-o a cuspir, evitando que engula.

5. Dois Anos e Meio

Introduza o uso do fio dentário, uma vez por dia.

6. Quatro a Cinco Anos

Ensine o seu filho a escovar os dentes, com os movimentos corretos.

7. Seis Anos

Mude para uma pasta dentífrica de adultos e continue a ensiná-lo a cuspir. Comece a ensiná-lo a utilizar o fio dentário.

8. Oito Anos

Nesta fase, permita que o seu filho seja o mais autónomo possível a fazer a higiene oral, utilizando sempre escova e fio dentário. Faça check-ups odontológicos com regularidade.

Os dentes de leite com cáries precisam de tratamento odontológico profissional e em muitos casos requerem tratamento especializado num hospital, com anestesia geral. Ignorar uma boa prática de higiene oral, desde os primeiros meses de vida, faz com que os dentes de leite se deteriorem causando dor na boca, abscesso dentário e problemas com os dentes ao redor. Esta situação pode afetar a alimentação, o sono e consequentemente pode retardar o crescimento.

Lembre-se de consultar sempre o dentista e faça um acompanhamento regular para evitar preocupações maiores.

Artigos relacionados e que podem ser do seu interesse: Higiene oral na gravidez.

Fonte: Better health channel online.

Bruxismo

O que é o bruxismo?

O bruxismo é um hábito que afeta cerca de 8 a 10% da população. É o hábito de ranger ou apertar os dentes, muito frequente durante a noite e resulta de uma contração involuntária dos músculos dos maxilares.

No entanto, o bruxismo também se manifesta durante o dia. É caracterizado pelo apertar involuntário dos dentes e mandíbula, em reação a certos estímulos.

Assim, é possível considerar duas formas distintas de bruxismo:

Bruxismo diurno

É uma atividade semi voluntária da mandíbula e caracteriza-se pelo apertar dos dentes enquanto o indivíduo se encontra acordado. Neste caso, geralmente não ocorre o ranger dos dentes. Esta situação pode estar relacionada com um tique, hábito ou uma reação ao stress.

Bruxismo noturno ou do sono

É uma atividade inconsciente de ranger ou apertar os dentes, com produção de sons, enquanto o indivíduo está a dormir. Neste caso, o bruxismo do sono cria tensões ao nível das articulações temporomaxilares, provocando o desgaste destas articulações e consequentemente dores de cabeça. Ranger os dentes provoca o seu desgaste, afetando assim a sua integridade e a saúde oral.

Causas do bruxismo:

Para o bruxismo diurno, não está completamente esclarecida a verdadeira causa. Tem origem no sistema nervoso central, mas é uma doença multifatorial que depende de vários fatores, porém considera-se que esteja associada a fatores de risco como o stress e ansiedade.

Para o bruxismo noturno, os estudos demonstram que durante as crises de bruxismo ocorre um aumento da atividade cardíaca, respiratória e muscular, o que permite constatar uma relação entre os mecanismos do sono e o bruxismo.

Sintomas:

As manifestações destes movimentos involuntários e descoordenados dos maxilares surgem a três níveis: nos próprios dentes, nos músculos e na articulação.

Os músculos estão em hiperatividade e isso leva à fadiga e à dor, provocando os seguintes sintomas:

  • Acordar cansado.
  • Dor de cabeça.
  • Mandíbula com dor e movimento limitado.
  • Desconforto na articulação temporomaxilar
  • Dores nos músculos da face
  • Rigidez dos ombros
  • Limitação dos movimentos de abertura da boca
  • Perturbações do sono
  • Desgaste do esmalte dos dentes 
  • Fratura de peças dentárias

Principais fatores de risco para o bruxismo:

  • Ansiedade.
  • Stress físico e emocional.

Como tratar o bruxismo?

Quanto ao bruxismo noturno, as consequências podem ser controladas com a utilização de uma goteira de proteção dentária durante o sono, de forma a proteger os dentes e assim reduzir a atividade muscular.

É igualmente importante o acompanhamento dentário com um médico especialista em ortodontia de forma a fazer uma correta articulação dos dentes do maxilar superior e inferior

Outras abordagens comportamentais podem ser utilizadas como a psicanálise, auto-sugestão, hipnose , relaxamento progressivo e meditação.

Como prevenir o bruxismo?

A forma de prevenir o bruxismo é a utilização de técnicas de relaxamento que ajudam a diminuir os níveis de ansiedade, por exemplo, relaxar antes de dormir, tomar um banho de água quente, ouvir música calma ou ler um livro.

Consulte sempre o seu médico dentista ou pediatra (no caso do bruxismo infantil) para uma avaliação mais detalhada.

Por norma, as crianças sofrem de bruxismo até à adolescência. A maioria das crianças deixa de ranger e apertar os dentes quando os dentes de leite são substituídos pela definitiva.

Fonte: The Bruxism Association (online).

Diabetes e saúde oral.

Os portadores da diabetes têm maior risco de contrair doenças orais.Saiba a relação da diabetes com a saúde oral.

Mais de um milhão de Portugueses é portador de diabetes e dois milhões são pré diabéticos. A Ordem dos médicos dentistas alerta para estes números e para a necessidade de fazer check-ups regulares de saúde oral.

Porquê?

A diabetes é uma das doenças com maior impacto na saúde oral. Os portadores de diabetes estão mais susceptíveis de contraírem cáries, gengivites, periodontites, disfunções das glândulas salivares, doenças da mucosa, infeções orais e problemas na sensibilidade oro-facial. Saiba mais sobre as doenças periodontais.

As infeções causadas pelas doenças periodontais dificultam o controlo da glicémia em pessoas que sofrem de diabetes, uma vez que uma infeção aguda pode provocar resistência à insulina, desencadeando um estado de hiperglicemia crónica.

Neste sentido, a ordem dos médicos dentistas alerta para a importância do tratamento periodontal como controlo metabólico da diabetes, essencial para a qualidade de vida dos doentes.

Dois factos:

  • As pessoas que sofrem de diabetes apresentam o dobro do risco de contrair doenças periodontais.
  • As gengivites e outro tipo de doenças periodontais podem tornar difícil o controlo do nível glicémico numa pessoa com diabetes.

Saiba o que é a gengivite, e quais os sintomas.

No caso de ser diabético, como prevenir e controlar?

  • Controle o seu nível glicémico.
  • Escove os dentes diariamente (3 vezes ao dia) e use o fio dentário.
  • Vá regularmente ao dentista (de 6 em 6 meses) e informe-o de que tem diabetes.
  • Mantenha uma dieta alimentar saudável e evite açúcares, gorduras e excesso de sal.
  • Não fume.
  • Pratique exercício físico.

Fonte: Ordem dos Médicos Dentistas (OMD). Plataforma da saúde oral.

Quais os Sintomas da Gengivite?

Quais os sintomas da gengivite que deve estar alerta para poder prevenir e estar informado. Saiba o que é a gengivite, quem pode ter gengivite e quais os sintomas que estão associados a esta doença.

A gengivite é uma doença periodontal que afeta a “parte superior” do periodonto – gengiva. Neste artigo pode ler como estas doenças são silenciosas e normalmente indolores. Por esse motivo queremos esclarece-lo melhor sobre esta doença e quais os sintomas.

O que é a gengivite?

É uma doença gengival, em fase inicial, causada pela placa bacteriana em torno dos dentes. Estas bactérias acumulam-se em zonas de difícil acesso, normalmente, à volta dos dentes e entre eles e consequentemente provocam a inflamação nas gengivas.

Para além disto, podem aparecer pequenos espaços ou bolsas entre as gengivas e os dentes. Estas, quando não tratadas, podem levar a problemas mais graves como a sensibilidade ou periodontite. Leia aqui os sintomas das doenças periodontais.

Quem pode ter gengivite?

Cerca de 80% dos adultos podem vir a ter sintomas de gengivite, no entanto, não significa que seja inevitável. A gengivite pode ser facilmente tratada pelo seu médico dentista ou higienista, desde que, o visite regularmente, pois eles poderão identificar problemas nas suas gengivas antes de exibir quaisquer sintomas de gengivite.

Complementar a isto, pode e deve tomar medidas de prevenção ao fazer uma boa higiene oral diária. Para saber como fazer uma boa higiene oral veja o nosso vídeo.

Quais os sintomas da gengivite?

  • Gengivas avermelhadas.
  • Gengivas inchadas.
  • Gengivas com sangramento.

A gengivite crónica pode levar à periodontite e ao mau hálito crónico, pelo que se estes sintomas persistirem é importante falar com o seu médico dentista.

Outros artigos que podem ser do seu interesse:

4 dicas para melhorar a sua saúde oral

Sintomas das doenças periodontais

6 dicas para eliminar o mau hálito

6 Dicas para Eliminar o Mau Hálito

Sofre de mau hálito?

6 dicas para eliminar o mau hálito. Ninguém gosta de ouvir que está com mau hálito, mas é pior não saber!

Provavelmente a maior parte das pessoas não se apercebe que está com mau hálito, e esta situação pode até ser embaraçosa e difícil para os que a rodeiam.

O mau hálito é frequentemente causado por um acumular de bactérias na boca que causa inflamação e faz libertar odores nocivos. Todas as pessoas libertam mau hálito, em algum momento do dia, por exemplo, de manhã ao acordar. No entanto, se a situação for recorrente pode estar relacionada a um problema de saúde ou má higiene oral.

Estes são alguns fatores que causam mau hálito:

Alimentos – O que se come interfere com o hálito, como por exemplo alimentos muito condimentados, alho, cebola, bebidas alcoólicas. Se não for mantida uma boa higiene oral os restos alimentares permanecerão na boca entrarão em putrefação e causarão mau-hálito.

Problemas gengivais – A halitose e o mau sabor na boca são sinais de aviso de problemas gengivais e são resultado da acumulação de placa bacteriana.

Boca seca – Esta situação ocorre se o fluxo salivar diminuir podendo ser causado por uma variedade de medicamentos, problemas nas glândulas salivares e respiração bucal. Sem saliva suficiente a ação de limpeza oral fica comprometida.

Tabaco – Fumar diminui o fluxo da saliva, o paladar e irrita os tecidos gengivais, para além de piorar o hálito.

Problemas de saúde geral – Algumas doenças, como infeções respiratórias, diabetes, algumas doenças do fígado, dos rins e gastrointestinais, podem causar halitose.

Felizmente, este é um problema fácil de corrigir e por isso deixamos-lhe 6 dicas para eliminar o mau hálito.

1. Manter uma higiene oral diária eficaz

Escovar e limpar entre os dentes todos os dias depois das refeições. Se não poder escovar os dentes depois de uma refeição, beber muita água pode ajudar a acelerar o processo de limpeza de bactérias indesejáveis e dos restos de comida que se acumulam entre os dentes. Beber leite pode também ajudar a eliminar odores indesejáveis, assim como evitar a ingestão de bebidas açucaradas.

2. Escovar a língua

A língua é o principal reservatório de bactérias causadoras de mau hálito.

3. Não use próteses durante a noite

Para além de ser aconselhável não dormir com as próteses dentárias, deve efetuar uma higiene e desinfeção correta das mesmas.

4. Evite o consumo de alimentos ou bebidas causadoras de halitose

O álcool como a cerveja, o vinho e outras bebidas destiladas levam a que a boca fique seca e, consequentemente, o mau hálito prolonga-se por um período de tempo maior, desde que terminou de beber.

5. Evite longos períodos sem comer

Quando se está longos períodos sem ingerir alimentos, o organismo começa a queimar gordura para compensar a glicose e consequentemente aumenta a produção de ácidos que comprometem a qualidade do hálito.

6. Deixe de fumar

O tabaco diminui o fluxo de saliva, destrói os tecidos gengivais e para além disso piora o mau hálito.

Todas estas dicas o podem ajudar a eliminar o mau hálito, no entanto, lembre-se sempre de fazer uma boa higiene oral, visitas regulares ao seu dentista e descartar quaisquer condições subjacentes ou outros fatores (como alguns medicamentos , dietas e alimentos) que possam tornar o seu hálito desagradável.

Outros artigos que podem ser interessantes para ler são: as 4 dicas para melhorar a saúde oral e os 12 alimentos amigos de um sorriso mais saudável.

Veja aqui o nosso vídeo do youtube.

Fonte: Webmd (online). Change Your Breath From Bad to Good. Got bad breath? Here’s how to make it better. By Pamela Babcock. Associação de higienistas orais.

Higiene Oral na Gravidez

Durante os primeiros tempos de gravidez a mulher sofre com alguns enjoos matinais, que podem fazer com que os ácidos do estômago enfraqueçam o esmalte dos dentes e consequentemente aumenta o risco de cáries.

Por outro lado, as alterações hormonais sensibilizam as gengivas podendo doer e sangrar facilmente. Outra situação é a diminuição da produção de saliva que como consequência aumenta o risco de infeção bacteriana e de placa dentária.


Esta situação pode agravar-se se não existirem cuidados adequados de higiene oral.

Uma grávida pode ir ao dentista?

Deve ir ao dentista! A saúde oral é fundamental durante a gravidez, por isso deve ser coordenada com o médico que a acompanha.

Em caso de dor de dentes o que deve fazer?

Deve sempre consultar um médico dentista para que sejam efetuados os tratamentos dentários adequados para resolver a situação e nunca se auto medique.

Uma grávida pode fazer qualquer tipo de tratamento?

Sim. Mesmo que necessite de anestesia. Uma infeção oral é mais prejudicial para o bebé do que o tratamento dentário. O ideal seria fazer consulta de medicina dentária antes da gravidez a fim de evitar infeções orais durante este período. As consultas devem ser de curta duração preferencialmente de manhã, sendo mais indicado o segundo trimestre da gestação.

A higiene oral da grávida pode influenciar a saúde do bebé?

A higiene oral é a mais eficaz medida preventiva para evitar infecções da cavidade oral. A mãe pode infectar o bebé por meio de microrganismos provenientes de doenças infecciosas como a cárie dentária e doenças periodontais.

Que cuidados de higiene oral deve ter?

Durante a gravidez é importante que as mulheres redobrem os cuidados com a higiene oral. Neste sentido, recomenda-se a utilização de pastas fluoretadas e em casos de elevado risco de cárie dentária, a utilização de elixires fluoretados, mas sempre mediante a indicação do médico dentista que a acompanha neste processo.

Segundo a opinião médica, para além das estratégias preventivas, o tratamento das lesões de cárie é aconselhado antes (ou durante) a gravidez. Este facto diminui eventuais complicações e a ocorrência da transmissão dos microorganismos, responsáveis pelo aparecimento da cárie dentária, para a criança.

Cuidados a ter no segundo trimestre.

Os cuidados médico-dentários devem realizar-se no segundo trimestre, contudo podem ser realizados em qualquer momento da gravidez, sobretudo em situação de urgência.

Outros artigos sobre saúde oral que podem ser interessantes aqui.

É importante estar informado sobre as doenças periodontais, para isso leia aqui o artigo que explica o que são estas doenças e como prevenir.

Fontes: Plataforma digital da Ordem dos Médicos Dentistas. Plataforma digital da saúde oral.

12 Alimentos Amigos de um Sorriso Mais Saudável

Para além da escova, da pasta de dentes e do fio dental, a saúde oral conta também com uma aliada de peso: a alimentação. Uma alimentação saudável tem consequências numa boa saúde oral.

Quer um sorriso mais saudável?

Porque sabemos que ter um sorriso saudável é importante, sugerimos alguns alimentos que o vão ajudar a chegar a este resultado:

Mostarda

Sabia que a mostarda tem propriedades naturais antibacterianas, que impedem a sua multiplicação na boca.

Além disso, o óleo da mostarda tem também propriedades branqueadoras dos dentes, úteis para quem fuma ou bebe muito café.

Cebola

A cebola também tem elementos naturais que são tóxicos para as bactérias que vivem nos dentes e na boca.

Contudo, as propriedades anti bacterianas da cebola são mais eficazes se a cebola for comida crua – em saladas, por exemplo.

Hortelã

O sabor mentolado a hortelã está presente na grande maioria dos produtos de higiene oral.

Para além do sabor fresco, a hortelã tem propriedades anti-inflamatórias que ajudam a proteger tanto os dentes como as gengivas, e a obter um hálito mais fresco.

Queijo

O queijo branco é também rico em vitamina C, e estes dois elementos produzem um efeito protetor sobre o esmalte dos dentes.

Para além de ser um alimento rico em cálcio, o PH destes queijos tem também um papel anti bacteriano porque neutraliza a acidez na boca.

Kiwi

O kiwi é uma excelente fonte de vitamina C, que ajuda à produção de colagénio.

Desta forma, assegura a saúde das gengivas e a capacidade destas servirem de fundações sólidas para os dentes, uma vez que, a insuficiência de vitamina C no organismo pode provocar gengivites e, em último caso, a perda de dentes.

Frango

O frango é uma ave rica em minerais, como o cálcio e o fosfato.

Deste modo, o seu consumo ajuda a manter e a reparar o esmalte dos dentes.

Aipo

O aipo é uma espécie de “escova de dentes natural”.

Enquanto o mastigamos, as suas fibras ajudam a limpar as impurezas dos dentes.

Sementes de Sésamo

Estas sementes atuam como “esfoliantes naturais” da boca, removendo os excessos de comida que ficam agarrados aos dentes.

Para além disso, as sementes de sésamo são ricas em cálcio, que ajuda ao fortalecimento dos dentes.

Salsa

A salsa, tal como a hortelã, tem propriedades refrescantes.

Estas ajudam a manter o hálito mais fresco e o ambiente na boca mais saudável.

Maçã

As maçãs são um bom aliado da saúde oral.

Porque mastigar uma maçã ajuda a produzir mais saliva e a combater as bactérias presentes nos dentes e na boca.

Nozes

As nozes são alimentos benéficos para o crescimento e fortalecimento dos dentes.

Como são ricas em magnésio, fosfato e cálcio, são consequentemente um bom nutriente para ajudar à manutenção de uma boa saúde oral.

Água

A água ajuda a remover as partículas de comida que se alojam nos dentes.

Desta forma, aumenta a produção de saliva, que auxilia na neutralização dos ácidos.

Todos os gestos diários são válidos para uma boa higiene oral e consequentemente um sorriso saudável.

Pode também ler mais sobre saúde oral nas dicas que preparamos aqui.

Fonte: Plataforma da saúde oral.