Clínica Cyrne: Medicina Dentária Personalizada

“Quando arrancou, em 2005, a Clínica Cyrne tinha apenas um gabinete dentário e um único médico dentista. O seu fundador, Filipe Cyrne, percebeu que a medicina dentária só faz sentido quando é realizada com tempo, investimento e de forma personalizada. Hoje, a clínica cresceu, ganhou estabilidade e 2020 é o ano de aposta na formação.”.

Quando se candidatou à faculdade, Filipe Cyrne estava indeciso entre medicina dentária e engenharia informática. Desde miúdo que sentia apetência por computadores, o que acabou por vir a ser útil na carreira que escolheu. Perdeu-se um engenheiro informático, mas manteve-se a curiosidade, a aposta na inovação e as tendências digitais. Licenciou-se em Medicina Dentária, em 2003, no Instituto Superior de Ciências da Saúde Sul – Cooperativa de Ensino Superior Egas Moniz e, desde então, não mais parou de aperfeiçoar conhecimentos e de apostar na formação.

Foi durante este processo que descobriu a paixão pela área de implantologia e de cirurgia guiada, que já realiza há cerca de seis anos.

“Recolhemos dados e exames dos pacientes e usamos um software para produzir uma guia que é usada durante a intervenção para nos orientar na posição exata do implante que foi predeterminada no planeamento anterior” explica.

Os desafios, no começo, foram muitos: as marcas da indústria ainda não tinham as ferramentas para a realização de cirurgia guiada.

“Inclusive, tinha de misturar implantes de uma marca com materiais de outra, pois as empresas ainda não apostavam muito nesta área.”

Depois de ter trabalhado em consultórios generalistas, rapidamente percebeu que a aposta num negócio próprio seria essencial na sua carreira, sobretudo porque não se identificava com a prática clínica estabelecida nos locais por onde passou. Fundou a Clínica Cyrne há 15 anos, dois anos depois de se ter licenciado.

“Algumas clínicas por onde passei tinham acordos com a ADSE e privilegiavam o atendimento do cliente, mais pela quantidade em termos de volume, do que propriamente pela qualidade.”

Queria ser diferente, apostar na vertente qualitativa, ter liberdade para realizar tratamentos melhores sem estar pressionado com os budgets impostos pelas entidades seguradoras ou por tempos condicionados na agenda.

“Gosto de trabalhar com pontualidade com os pacientes, não gosto de ter pessoas na sala de espera, de estar sujeito e pressionado por timings. Além disso, prefiro usar equipamentos e materiais de qualidade.”

Só com o investimento numa Clínica privada conseguiria promover uma medicina dentária personalizada e, em simultâneo, ter condições de trabalho para que os profissionais que com ele trabalham se sentissem motivados.

Quando abriu portas, na Amadora, Filipe Cyrne era o único médico dentista (assegurava todas as especialidades), havia apenas um gabinete dentário e a carteira de clientes era muito reduzida. “Começámos mesmo do zero”, afirma. O objetivo era proporcionar um tratamento individualizado e essa acabou por ser a sua melhor publicidade.

“Os pacientes que lá iam, apesar de serem poucos no início, acabaram por trazer a família, os amigos e foi o ‘passa a palavra’ que funcionou melhor.”

Rebranding chegou em 2015

À medida que a clínica foi crescendo, começou a apostar em novas especialidades, como a ortodontia, assegurada pela médica dentista Vera Paulino e a odontopediatria, da responsabilidade da médica dentista Filipa Chasqueira.

“Comecei a delegar mais e a especializar-me em implantologia através da realização de vários cursos”, conta o diretor clínico.

No entanto, o médico dentista continua a praticar alguma clínica generalista, uma vez que alguns clientes o acompanham desde o arranque da clínica. Filipe Cyrne faz questão de manter esta ligação ao longo do tempo.

Às médicas dentistas que integraram a equipa, juntaram-se mais três, dedicadas à medicina dentária generalista: Joana Marques, Susana Abreu e Sofia Ambrósio.

A Clínica Cyrne conta ainda com três assistentes dentárias (incluindo a rececionista), uma gerente e uma pessoa responsável pelo marketing e redes sociais.

Mais tarde, foi tomada a decisão de abrir outro gabinete dentário que, inicialmente, serviu como teste para consultas de outras especialidades médicas.“Rapidamente percebi que o foco deveria ser a medicina dentária”,partilha. Tentou, então, ser um pioneiro da inovação tecnológica:“Precisamos de bons equipamentos para trabalhar com qualidade e, por isso, fui investindo sempre. Há cerca de oito anos, comprei um CBTC numa altura em que a generalidade das clínicas ainda não tinha este equipamento”, refere. A aposta na inovação acabou por criar um upgrade na qualidade pela qual a clínica sempre se pautou.

“Temos vindo a acompanhar o aparecimento de novos tratamentos para proporcionar um serviço de última geração”.

Em 2015, Filipe Cyrne achou que era chegado o momento de realizar uma remodelação total da clínica.

“Fizemos uma renovação e melhoria da imagem, do logótipo, e criámos a imagem de marca que se mantém até hoje.” Até essa data, a clínica chamava-se Centro Médico e Dentário Dr. Filipe Cyrne, mas passou a intitular-se Clínica Cyrne. Em simultâneo, a equipa foi crescendo. Mais recentemente, há cerca de dois anos, chegou o momento de investir num scanner intraoral.

“Atualmente fazemos tratamentos totalmente digitais, do início ao final” explica o diretor clínico. A clínica está hoje apetrechada com cinco impressoras 3D que imprimem modelos, guias cirúrgicas e são utilizadas nas cirurgias guiadas. E esta é uma realidade desde há muitos anos.“A mão humana é cada vez menor, o que leva a um menor erro e a uma maior precisão.”

A área digital também está presente nos contactos com a clínica, sendo possível recorrer ao Messenger, ao WhatsApp, ao e-mail e ao próprio site para pedir informações.“Não temos marcação de consulta online ativa, mas temos um formulário no site para que o doente proponha uma data e hora da sua preferência. Nós é que gerimos os nossos horários e privilegiamos os contactos telefónicos para perceber o que se passa com determinado doente e qual o grau de urgência” salienta o médico dentista.

A clínica está também presente no Facebook e no Instagram, estando uma pessoa a trabalhar a tempo inteiro nesta área e no marketing.“Colocamos alguma informação nas redes sociais e no site sobre factos relacionados com medicina dentária e algumas curiosidades que vão educando os nossos pacientes. É preferível aceder a informação facultada por pessoal especializado do que recorrer a sites pouco fidedignos.” As consultas agendadas são recordadas via telefone no dia anterior e, ao final de seis meses, na altura da consulta de higienização e de rastreio oral, é enviado um SMS como lembrete para todos os pacientes.“Estas funcionalidades permitem-nos evitar ficar com espaços de agenda vazios”,explica.

A clínica, aberta de segunda a sexta-feira, das 9h às 19h30, e aos sábados, das 9h30 às 13h, nunca fecha para férias.

Colocar o digital ao alcance dos profissionais de saúde oral

A aposta mais recente prende-se com a formação na área digital. Como mencionado no tema de capa desta edição, existem formações que permitem aos médicos dentistas fazer a transição de tratamentos mais convencionais para outros, tecnologicamente mais evoluídos. Com as especializações que tem feito no País e no estrangeiro, Filipe Cyrne decidiu criar uma outra empresa, que funciona em complemento da clínica e que arranca, em pleno, neste ano de 2020 com o objetivo de promover cursos para médicos dentistas e assistentes dentárias.

Assim, surgiu o Digital Cyrne – Centro de Formação em Medicina Dentária Digital, inaugurado a 14 de dezembro.

“Esperamos facilitar a transição do analógico para o digital aos médicos e às assistentes que entendam fazê-lo. Isto passa por colocar o digital ao alcance de outros profissionais de saúde oral”

Explica o médico dentista, que assume o cargo de coordenador científico deste projeto.

A inauguração do centro aconteceu no final de 2019, tendo sido criado um workshop gratuito na área de cirurgia guiada“que teve grande adesão”. A Digital Cyrne está devidamente apetrechado de meios audiovisuais de última geração, como vídeo em 4K, que permite a filmagem na sala de tratamentos na clínica e a exibição no LCD da sala de formação.

“Temos um microscópio visualizador HD, que é uma espécie de câmara que amplia o que está a ser feito manualmente pelo formador e que permite aos formandos observarem em tempo real. Contamos ainda com um laboratório 3D com algumas impressoras para a realização de sessões hands-on e para poder prestar serviço paralelo à clínica, que fica ao lado.” Já existem formações na forja, com datas que serão fechadas em breve.

“Vamos ter um curso de impressão 3D para médicos dentistas e técnicos. Dentro deste, estamos a criar uma ‘Dental 3D Printing Party’. Serão dois dias de um curso ministrado por um médico americano bastante conhecido, o Dr. August de Oliveira. Como orador experiente, está perfeitamente à vontade para abordar a área digital. Temos estado a preparar o programa em conjunto. Vamos reunir várias marcas de tecnologia, vamos chamar os médicos dentistas e ensiná-los a trabalhar com os equipamentos e a conhecer as várias soluções que a impressão 3D oferece” salienta o coordenador científico.

Para ter mais informações sobre os cursos programados, basta aceder ao site Digital Cyrne Filipe Cyrne destaca o interesse demonstrado por assistentes dentárias em frequentarem estes cursos.

“É importante não nos esquecermos da formação digital para estas profissionais, porque têm de adquirir novas competências e novos conhecimentos, uma vez que é preciso saber manusear equipamentos digitais. Só profissionais bem treinados tornam os procedimentos mais céleres.”

Fonte: Revista saúde oral bimestral nº 130. Texto: Cláudia Pinto. Fotografia: Rodrigo Cabrita.