Root Cause: O documentário sobre desvitalização de dentes que está a indignar a comunidade médico-dentária.

O Root Cause é um documentário da Netflix sobre desvitalização de dentes que está a indignar a comunidade médico-dentária. Isto porque relata a busca de um homem, durante 10 anos, pela causa subjacente às suas doenças crónicas.

Tornando-se, consequentemente, numa denúncia aos perigos da prática de desvitalização de dentes, porque apresenta uma experiência com um tratamento de canal e os supostos problemas de saúde que o protagonista enfrentou como consequência desse tratamento.

O que está a gerar tanta polémica?

De acordo com a notícia publicada na revista saúde oral, a comunidade médico-dentária está a pedir à Netflix, à Apple, à Amazon e ao Vimeo para remover o documentário ‘Root Cause’, porque sugere que o tratamento ao canal radicular e as extrações de dentes de siso podem levar ao desenvolvimento de patologias como o cancro.

O documentário foi produzido pelo australiano Frazer Bailey e relata a busca pelas causas da sua fadiga, ansiedade e depressão através de psicoterapia, medicação, balanceamento dos chakras e até hipnose. Bailey acaba por recorrer a um ‘dentista holístico’ que conclui que a causa para os seus sintomas foi um tratamento ao canal radicular que fez quando era mais novo para salvar um dente.

O que sugere o documentário?

Segundo o artigo publicado, o documentário acaba por sugerir que este tipo de tratamento dentário pode causar patologias como cancro ou problemas cardíacos, explicando que as bactérias e outras toxinas viajam dentro do organismo até chegar a outros órgãos, o que de acordo com a Medicina Chinesa permite o avanço de infeções.


A causa para tanta indignação:

É o facto de o documentário afirmar, repetidamente, que “98% das mulheres que têm cancro de mama já fizeram um tratamento ao canal radicular no mesmo lado em que têm cancro de mama”.

As reações por parte da comunidade médico-dentária não se têm feito esperar.

Conforme avança a revista saúde oral. Nos Estados Unidos da América, a American Dental Association (ADA) revela já ter recebido centenas de cartas de pacientes com questões sobre o filme.

Foi também esta associação que se juntou à American Association of Endodontists (AAE) e à American Association of Dental Research (AADR) para escrever uma carta a empresas de media, como a Netflix, a pedir que retirassem o documentário por fazer falsas alegações.

Além disso, têm sido vários os profissionais de medicina dentária que se têm pronunciado sobre o tema, tais como, o Concelho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP) que destacou:

“Não existe comprovação científica que relacione a incidência de neoplasias, doenças degenerativas, cardiopatias e outras patologias com o tratamento endodôntico. A Endodontia visa a manutenção do órgão dentário livre de infecção e sintomas. Avanços na técnica, nos materiais e no conhecimento da infecção endodôntica tornaram os tratamentos mais previsíveis, diminuindo muito o número de insucessos”.

A revista saúde oral publicou, em setembro, uma notícia com o médico dentista Dominik Nischwitz porque ele defende a importância da medicina dentária biológica. Saiba um pouco melhor sobre este tema.

Fonte: Saudeoral.pt